Judith Butler + Subalternidades em perspectiva + História e Teoria Queer

Código: MPLH3QC5W Marca:
Ops! Esse produto encontra-se indisponível.
Deixe seu e-mail que avisaremos quando chegar.

Judith Butler: filósofa da vulnerabilidade

O presente livrobusca investigar os usos e as modulações da noção de vulnerabilidadena obra da filósofa norte-americana Judith Butler. Embora Butler seja mais reconhecida por outro conceito, a performatividade, argumentamos que vulnerabilidade é uma outra chave de leitura possível de seus trabalhos. A autora, durante as décadas de 1980 e 90, problematizou os temas de sexo, gênero e materialidade corpórea dentro do pensamento feminista. Butler apontava a falência da política identitária das lutas feministas e sugeriu uma outra forma de compreender o gênero, a partir do que chamou de performatividade, solapando a divisão metafísica sexo/gênero. Colocando-se contra qualquer doutrina que sustente a materialidade corpórea como uma mera “superfície de inscrição”, para Butler é preciso tematizar a responsividade do corpo, situando-a na órbita de uma agência politicamente necessária. Tal intento levou a autora a teorizar a vulnerabilidade do sujeito enquanto categoria linguística, isto é, a abertura do sujeito aos regimes normativos que, paradoxalmente, permitem sua agência. Após os atentados de 11 de setembro, Butler volta a investigar a vulnerabilidade, mas em termos sensivelmente diferentes. A “invulnerabilidade” projetada pelos Estados Unidos leva a filósofa à consideração da importância da vulnerabilidade do outro para repensar as categorias políticas, os regimes éticos e nossa interdependência necessária. Nesse sentido, pensar em questões de luto e reconhecimento exemplificam, para a filósofa, a forma como determinadas vidas podem estar mais expostas ao perigo, isto é, mais vulnerabilizadas, abrindo um caminho possível para reabilitar uma crítica da violência. Repensar a vulnerabilidade em termos de ética demanda reconhecer a precariedade da vida, sua característica de dependência fundamental e de exposição ao perigo. Isso leva a autora a questionar o modo como a ontologia considera o corpo, colocando-o como unidade discreta ou superfície de inscrição. Para Butler, é preciso de uma ontologia corpórea que considere essa dimensão de relacionalidade do corpo. Por último, a vulnerabilidade, para a filósofa, não se confunde com uma posição de passividade ou de exclusão: ao contrário, vulnerabilidade implica em resistência na medida em que corpos, ao exibirem essa vulnerabilidade, encenam um enfrentamento aos poderes instituídos, reconfigurando a gramática do reconhecimento. O intuito deste livro é oferecer aos leitores de Butler outros modos de se apropriar de sua obra, explorando os meandros de um pensamento comprometido com as urgentes tarefas do tempo presente.

 

História e Teoria Queer

Os artigos que compõem a coletânea assumem o enfrentamento teórico e metodológico dos cânones da História, que invisibilizam subjetividades, experiências, vidas, prazeres, narrativas, artes, culturas e histórias, em nome de existências que se instituem como soberanas, exclusivas e modelares. Homossexuais, travestis, transexuais, mulheres negras, corpos desejantes e apaixonados, corpos resistentes, que, nas artes, nos jornais, nos textos acadêmicos, nos ambientes virtuais, põem em cena as suas táticas singulares, os seus deslocamentos e suas linguagens polifônicas. São vidas subversivas que produzem histórias disruptivas, as quais precisam ser contadas, transformadas em conhecimentos, ensinadas e difundidas. São existências que desestabilizam os cânones das ciências humanas e racham o solo em que se firmam, trazendo à tona o avesso da tessitura que a História insiste em não mostrar.

O trabalho dos professores organizadores e de seus/suas parceiros/as, nesta coletânea, tem a importância política de pôr na agenda do debate acadêmico os conhecimentos produzidos por essas histórias, como forma de denunciar e enfrentar o tempo presente do conservadorismo e do autoritarismo, que têm tomado de assalto a nossa vida social, incitando violências, freando resistências e acirrando as desigualdades sociais, em nome da História do progresso.

 

Subalternidades em perspectiva: limites, ausências e devires

O livro busca oferecer diferentes análises sobre a complexidade dos processos de subalternização presentes na sociedade constituída a partir de uma infinidade cada vez mais fragmentada de visões de mundo e/ou de perspectivas da realidade. Trata-se de um convite a suscitar o debate em torno dessa problemática que desperta interesse nos estudos sobre o mundo, a vida e as relações de poder vigentes na contemporaneidade.

 

Pague com
  • PagHiper
  • Mercado Pago
  • PagSeguro
Selos
  • Site Seguro

EDITORA DEVIRES - CNPJ: 26.877.292/0001-39 © Todos os direitos reservados. 2019

… }(document, 'script', '//fidelizarmais.com/areas/plugin/content/js/fmais-external-affiliate-program.js?ver=', '4eea3440-5b9a-4c66-8f45-dff13536b91e')); …