Carrinho de compras
Seu carrinho está vazio

Central de
Atendimento

0

Frete Grátis

acima de R$299

Descontos

em pagamentos a vista

Entrega local

receba hoje

Pague com cartão

em ate 12x s/ juros

Segurança

Loja oficial

Atualizando informações ...

Escrita negro-posithiva: as escrevivências como novos agenciamentos estéticos de pessoas vivendo co

Marca: Devires

Por:
R$ 57,90

R$ 55,01 à vista com desconto Pix - PagBank
ou 12x de R$ 5,80 com juros Cartão de Credito - PagBank
Simulador de Frete
- Calcular frete
Frete e prazo de entrega
Descrição Geral
  • Editora:  Devires
  • AUTORE(S): Maurício Silva da Anunciação
  • ISBN:  9786589872047
  • Edição:  1ª Edição
  • Formato:  16.00 x 23.00 cm
  • Páginas:  212

 

Este trabalho é resultado da minha dissertação de mestrado em Literatura e Cultura, defendida em 2020, na Universidade Federal da Bahia (UFBA). A pesquisa se dedicou analisar as representações discursivas sobre corpos que convivem com o diagnóstico de positivo para HIV/Aids, e se debruçar sobre a linguagem da Aids, considerando sobretudo as escrevivências, necropolítica e interseccionalidade. Além disso, busquei compreender de que forma a Literatura Brasileira Contemporânea pode ser acionada como dispositivo de abertura, afirmação e reexistência de corpos dissidentes que buscam contestar o seu lugar de fala. Assim, este livro Escrita Negro-Posithiva: as escrevivências como novos agenciamentos estéticos de pessoas vivendo com hiv pretende demonstrar como são elaboradas as representações de pessoas vivendo com HIV/Aids, e também, apontar que além dos estereótipos, há um epistemicídio histórico e secular de corpos negros em quatro décadas de pandemia de Aids no Brasil, sinalizando que estes também escrevem literatura negro-posit[hiv]a e constroem narrativas com a hermenêutica autobiográfica, embora não sejam visibilizados ou reconhecidos como intelectuais negros. Para tal, o autor investe na noção de literatura negro-posithiva como aquela que busca fissurar os processos sociais hegemônicos que procuram instituir normas, anulando as subjetividades corpóreas. Assim, são acionadas as escrevivências e inquietações do autor que vive com Hiv há nove anos. Isto é, essa escrita é marcada pela ?fala de um corpo que não é apenas descrito, mas antes de tudo vivido?, como adverte Conceição Evaristo (2005). O autor, que se auto afirma enquanto bicha preta e periférica, busca ultrapassar os limites da sua relação com a sorologia mobilizando outras vozes posit[hiv]as para ampliar o diálogo pela ótica decolonial, e principalmente, recusar-se a ser narrado pelo desejo do outro. Por fim, esse livro faz um convite aos leitores independente da sua condição sorológica - soropositivo, soronegativo ou sorointerrogativo, para que se permitam ser infectados positivamente por estas linhas e deixem de olhar para estes corpos como estrangeiros._x000D_ _x000D_ _x000D_ Maurício Silva da Anunciação é natural de Feira de Santana (BA), pertencente a Salvador (BA) desde 2012. O menino dos olhos de ?`sun, bicha preta, periférico, poeta, escrev[hiv]ente e educador social. Licenciado em Letras Vernáculas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), em 2018. Mestre em Teorias Crítica da Literatura e da Cultura pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), em 2020. Doutorando em Crítica Cultural | linha de pesquisa: Literatura, Produção Cultural e Modos de Vida | Área Estudo de representações literárias, pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), em 2021. Atua como membro do Grupo de Pesquisa Lingua(gem) e Crítica Cultural liderado pelo professor Dr. Paulo César Souza Garcia (UNEB). Desenvolve pesquisas sobre Literatura negro-posit[hiv]a, Literatura Pós-coquetel e Literatura da aids, atentando sobre as claves: hiv/aids, escrevivências, identidades, subjetividades, escrita posit[hiv]a e afetividade. Preocupa-se também com as questões relativas ao resgate de narrativas históricas de corpos ditos subalternos, principalmente as que dizem respeito à questão de gênero, classe social, raça/cor e sexualidades. É engajado com uma educação decolonial e antirracista. Tem poemas publicados nas Antologias Poéticas: Poesia Brasil 2019 pela Vivara Editora Nacional, Terra, fogo, ar: coletânea lírica pela Editora EDUFBA, Vidas Perfumadas pela Darda Editora e Revista Palmartes pela Unilab._x000D_ Trecho do livro ou opinião de outra pessoa para orelha de frente: até 600 caracteres_x000D_ _x000D_ Me tornar este ser resiliente não significa que sou resistente ou não estou vulnerável a sentir as dores das cicatrizes adquirida ao longo da vida, é inevitável algumas dessas consternações não passarem. Isso acontece porque elas moram no nosso inconsciente e sobre ele não temos controle, por mais que a gente busque seguir a travessia sem lembrar dos percalços em algum momento ele vem átona, pois é algo constituinte de nós e não complemento.

Formas de Pagamento
Avaliações

Produtos visualizados

Carregando ...