NÃO SOU NEM CURTO AFEMINADOS REFLEXÕES VIADAS SOBRE A EFEMINOBOFIA NOS APPS DE PEGAÇÃO

Código: YGR26PJZQ Marca:
2x de R$ 21,45
R$ 45,00 R$ 42,90
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 42,90 sem juros
    • 2x de R$ 21,45 sem juros
    • 3x de R$ 14,98
    • 4x de R$ 11,49
    • 1x de R$ 42,90 sem juros
    • 2x de R$ 21,45 sem juros
    • 3x de R$ 14,98
    • 4x de R$ 11,49
  • R$ 42,90 Boleto Bancário
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.

Título: NÃO SOU NEM CURTO AFEMINADOS

REFLEXÕES VIADAS SOBRE A EFEMINOBOFIA NOS APPS DE PEGAÇÃO

ISBN

9978-65-86481-12-9

Palavras-chaves

Psicologia, Sexualidades, Aplicativos baseados na localização

Assunto:

 

Edição

Ano

2020

Dimensões em cm:

16x23

Págs.

156

 

Sobre o autor 

Mahmoud Baydoun 

Psicólogo, sexólogo, influenciador digital e idealizador da UFSEXO. Mahmoud

é Mestre em Psicologia pela Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR),

especialista em sexologia pela Universidade de São Paulo (USP) e em Sexualidade

Humana/Terapia Sexual pela Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana

(SBRASH). Desde 2018, trabalha com uma nova forma de educação sexual online

totalmente voltada ao prazer, influenciando cerca de 5 milhões de pessoas nas redes

sociais.

Lattes: 

Síntese

O Grindr é considerado um dos maiores aplicativos baseados na

localização voltado para homens que buscam por relações homodesejantes. O

nome da plataforma digital foi inspirado pela ação de uma moedora de café (em

inglês: grinder), uma vez que seu principal objetivo é promover a sociabilidade

entre os usuários, tanto online como off-line. Observa-se, todavia, que as

relações homodesejantes são permeadas pelos ideais da masculinidade

hegemônica e pela abjeção ao efeminamento. Enquanto os homens que se

enquadram no modelo dominante de masculinidade são constantemente

erotizados, os efeminados se tornam vítimas da efeminofobia, tanto no mundo

real quanto no virtual. Portanto, essa pesquisa qualitativa visou tecer reflexões

acerca dos ideais de masculinidade hegemônica e os discursos efeminofóbicos

que perpassam as relações homodesejantes mediadas pelo Grindr na zona urbana

de Porto Velho-Rondônia, pautando-se nas contribuições dos estudos viados. A

investigação se consolidou sobre dois arsenais metodológicos: a etnografia

virtual e a realização de entrevistas individuais com 10 usuários do aplicativo.

Foram evidenciados sentimentos e discursos efeminofóbicos nas descrições de

perfil analisadas. O estigma e a estereotipia socialmente afligidos aos homens

efeminados se replicam no Grindr em forma de preferências eróticas expressas

em descrições de perfil com discursos apologéticos. Os relatos dos

 

colaboradores demonstraram a internalização desses discursos e dos ideais da

masculinidade hegemônica cuja supremacia se perpetua não apenas através da

coerção, mas também através do consentimento. Destacou-se, além disso, que as

demandas referentes a esse modelo de expressão de gênero giram em torno do

mesmo ideal: Pareça heterossexual., mesmo que não seja! Ressaltou-se que tais

exigências se camuflam por trás da idealização reiterada do corpo sarado,

musculoso e liso. concebido socialmente como sinônimo de enquadramento nos

ideais da masculinidade hegemônica cuja propagação passa também pelo crivo

de intersecções como o papel sexual, a classe social, a faixa etária e a raça. Os

relatos dos colaboradores expuseram comparações entre a plataforma digital e o

mercado de carnes, evidenciando a lógica mercadológica que pervaga

aplicativos como o Grindr. Assim, muitos usuários se apresentam imagética e

discursivamente como consumidores-produtos cuja característica mais

importante é o enquadramento no modelo dominante de masculinidade (ser

macho). Para tanto, precisam renegar atributos que remetam ao efeminamento

ou ponham em xeque os ideais de masculinidade hegemônica impostos pela

matriz heterossexual, pois aqueles os alocariam ao abjeto e os arremessariam

fora do mercado das relações homodesejantes mediadas online. Recomenda-se

que plataformas digitais como o Grindr lancem campanhas contra a

efeminofobia, principalmente em cidades de médio porte como Porto Velho

onde os ideais da masculinidade hegemônica se propagam coercitivamente.

 

 

2x de R$ 21,45
R$ 45,00 R$ 42,90
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • PagHiper
  • Mercado Pago
Selos
  • Site Seguro

EDITORA DEVIRES - CNPJ: 26.877.292/0001-39 © Todos os direitos reservados. 2020

… }(document, 'script', '//fidelizarmais.com/areas/plugin/content/js/fmais-external-affiliate-program.js?ver=', '4eea3440-5b9a-4c66-8f45-dff13536b91e')); …