Corpos em Trânsito: Existências, subjetividades e representatividades

Código: 9788593646409
R$ 49,90
até 2x de R$ 24,95 sem juros
Comprar Estoque: Disponível
    • 1x de R$ 49,90 sem juros
    • 2x de R$ 24,95 sem juros
  • R$ 49,90 Boleto Bancário
* Este prazo de entrega está considerando a disponibilidade do produto + prazo de entrega.
  • Editora:  Devires
  • ORGANIZADORE(S): Aguinaldo Rodrigues Gomes | ORGANIZADORE(S): Antonio Ricardo Calori de Lion
  • ISBN:  9788593646409
  • Edição:  1ªEDIÇÃO
  • Formato:  23.00 x 16.00 cm
  • Páginas:  408

 

Um toque, um soco e um alento... É um presente fazer essa orelha, encomendada por Antonio de Lion e Aguinaldo Rodrigues Gomes, que convida a sentar, refletir e sentir três tons da escrita: o toque (imersão) o soco (políticas de resistência) e do alento (o devir que tudo é – TRANSitório). A multiplicidade do campo é sentida nas vozes não convergentes mergulhadas em (IN)VISIBILIDADES E REPRESENTATIVIDADES que ao longo do livro, apesar do esforço político histórico de apagamento, emergem nas linhas de Adriana Sales com o histórico da Associação Nacional de TRAns e travestis, a experiência da integração entre práticas acadêmicas e práticas militantes enredadas por Fran Demétrio. As vozes divergentes que aqui agregam à multiplicidade, corroboram com riqueza destoante do corpótico de Leonardo Lemos explicando a resistência aos dispositivos que anulam vidas e estéticas possíveis, enquanto abre se a cena das representações trans na TV aberta (1985-2005) por Jéfferson Balbino. As SUBJETIVIDADES E AS REINVENÇÕES DE SI, gatilham em mim enquanto mulher travesti pai&avô elaborações transgressoras de um eterno devir corporal na discussão de Márcio Alessandro e a disciplina sobre as infâncias trans. O texto imprime concepções imagéticas de um caminho de auto-elaboração. A transmasculinidade dos anos 1950 investigada pelas subjetividades do corpo trans nas linhas de Antonio de Lion, a medida que Natanael sinaliza para os corpos em trânsito, desafiantes de regras fixas. Neste início de era que dialoga com frentes que não dialogam, Cláudia Nigro e Luiz Soares trazem o asé da composição sobre o corpolítico transvestigênere (categoria marcada por Indianare Siqueire) na literatura de Ruddy Pinho. No mesmo embalo Fábio Henrique e Paulo Vitor discutem os espaços de sociabilidade, amizades e subjetividades travestis no Rio de Janeiro dos anos 1960. Posicionamentos que abrem discussões potentes e que por vezes me fez pensar em chamar o autor e dizer, "veja bem...", noutras EXISTÊNCIAS/RESISTÊNCIAS sentia como se xs autorxs dissessem, “sabemos a imensidão desta área e a necessidade de ocuparem o lugar...”. Aguinaldo e Josimara introduzem a virilidade como memória de masculinidade sobre as vidas no cárcere entre travas e trans, ao passo que Frida e Regiane e os corpos doloridos travam uma conversa entre Índia e Brasil e seus processos de redesignação genital que criam uma espécie de analogia estética aos corpos rebeldes de Benedito Inácio. Corpos desviantes na história da inquisição portuguesa, completam dados trazidos por Mott. Luiz Morando e sua escrita sensível aponta as transgeneridades do início do século passado em contrapartida ao que Thiago Henrique “cirurgicamente apresenta como seu sujeito objeto”. Raquel Salgado e Bruno Alexandre com suas Vidas Dissonantes lançam memórias de infâncias trans, fechando a obra com sua fundamentação queer...
R$ 49,90
até 2x de R$ 24,95 sem juros
Comprar Estoque: Disponível
Pague com
  • Pagar.me V2
Selos

EDITORA DEVIRES - CNPJ: 26.877.292/0001-39 © Todos os direitos reservados. 2021